Peelings: aliados estratégicos nos tratamentos de beleza

Aula dermatologia

Em aula, com minhas alunas, na Faculdade de Medicina de Jundiaí.

Dou aulas em universidade para residentes em Dermatologia e, na última semana, abordamos um tema que me inspirou a escrever este post: o universo dos peelings.

O termo peeling é um nome que designa todo processo em que há remoção nas camadas mais superficiais da pele – e, no meu ponto de vista, é justamente isso que torna esse processo tão importante e eficaz.

O termo vem do termo inglês peel, que significa “descamar”. Assim, o que o processo proporciona é “destruição” controlada das camadas mais superficiais da pele, estimulando o organismo a formar um novo tecido epidérmico e/ou dérmico, dependendo da profundidade do peeling realizado.

O procedimento pode ser feito usando uma combinação de produtos químicos (peeling químico) ou por meio de processos físicos (como o peeling de cristal). Existem também os peelings a laser. Além disso, um peeling pode ser realizado de forma isolada ou combinado a outros procedimentos estéticos, dentro de um plano de tratamento.

Dessa forma, os quadros clínicos que podem ser tratados recorrendo-se aos peelings são inúmeros. Vejamos alguns:

– Fotoenvelhecimento (envelhecimento por exposição solar prolongada e sem proteção);
– Tratamento de manchas;
– Tratamento da acne;
– Tratamento de cicatrizes de acne e outras cicatrizes;
– Tratamento de estrias;
– Manutenção geral da beleza e vitalidade da pele;

Uma boa análise diagnóstica é o que irá apontar se o quadro apresentado responderá bem a um peeling e qual será o tipo e a intensidade ideal a serem aplicados em cada caso. Além disso, é importantíssimo que a pele seja preparada alguns dias antes, com a aplicação de ácidos e cremes específicos em casa, pelo paciente.

Sendo assim, além do conhecimento e domínio das diversas técnicas e possibilidades de peelings, o profissional que conduz esse procedimento precisa também realizar todo um acompanhamento da pele antes e depois do procedimento. Isso é algo que só pode ser feito por um dermatologista, obviamente.

Aqui nesta página (clique aqui), eu mantenho uma espécie de tutorial com as dicas básicas sobre o que é preciso fazer antes e depois da realização desses procedimentos, além de explicações sobre cada tipo de peeling.

Sugiro a leitura, para quem pensa em fazer um procedimento dessa natureza ou, até mesmo, para aqueles que sentem a necessidade de procurar tratamentos para a pele e não sabem exatamente por onde começar – pois é bem possível que algum tipo de peeling seja um dos pontos de partida em qualquer plano de ação para melhoria da pele.

Mas, lembre-se: embora informações on-line sejam muito úteis e esclarecedoras, nada substitui o acompanhamento individualizado, por um profissional devidamente qualificado. Quer cuidar bem da sua pele, com resultados efetivos e seguros? Eleja um profissional da sua confiança, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

MARQUE A SUA CONSULTA.