O SOL, A PELE E A VITAMINA D

Tenho insistido neste ponto: o sol é amigo da nossa pele e da nossa saúde, desde que a gente saiba tirar partido dele com inteligência. Inclusive, a campanha #DezembroLaranja da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) deste ano, caminha exatamente neste sentido, enfatizando a ideia: “Se exponha, mas não se queime”.

dezembro laranja 3

Imagem da campanha “Dezembro Laranja” deste ano da SBD encoraja a exposição saudável ao sol

Um dos pontos que ainda merecem ficar muito bem esclarecidos é o da importância da exposição solar direta, no horário entre 10h e 16h, para a síntese de Vitamina D pelo organismo.

Quando ouvem falar nisso, não são poucos os pacientes que questionam a aparente contradição frente à orientação de que todas as pessoas devem usar filtro solar diariamente e evitar a exposição direta nos horários de maior radiação.

Acho excelente quando as pessoas expõem esse tipo de dúvida durante uma consulta, pois isso nos dá a oportunidade de oferecer a orientação correta e de explicar que é perfeitamente possível tomar o solzinho diário necessário para sintetizar a Vitamina D e, ao mesmo tempo, evitar os malefícios da radiação ultravioleta – que podem levar ao envelhecimento precoce, às manchas e, sobretudo, ao câncer de pele.

Jovem ao sol

Com as medidas certas de fotoproteção e atenção aos períodos e tempo de exposição, o sol traz muitos benefícios

Vamos entender o seguinte: existem basicamente três tipos de radiação solar, a Ultravioleta A, a B e a C. As de maior impacto sobre a nossa saúde são a A e a B.

A radiação UVA causa envelhecimento precoce da pele e o câncer de pele. Ela é constante todo o dia, e é por isso que é tão importante a gente se proteger com o filtro solar também antes das 10h e depois das 16h.

Já a radiação UVB é a que está diretamente relacionada à síntese da Vitamina D pelo nosso organismo. Ela tem o seu pico de emissão entre 10h e 16h – fora dessa faixa de horário, a radiação UVB é muito pouca. Mas esse tipo de radiação também é a que causa queimaduras na pele e também aumenta os riscos de câncer de pele.

Diante desses fatos, a orientação para manter devidamente os níveis de Vitamina D no nosso organismo, sem correr riscos, é a de fazer breves exposições diárias (de 10 a 15 minutos), de pequenas áreas do corpo, no horário entre 10h e 16h, sem o uso do filtro. Notem as palavras-chave: “breves exposições” e “pequenas áreas do corpo”.

15 min

Existe um estudo do Dr. Marcos Maia, dermatologista da Santa Casa de SP, que comprova que a exposição diária de apenas um antebraço ou dorso das duas mãos no sol, no horário de pico da radiação, durante no máximo 15 minutos, já é o suficiente para produzirmos a quantidade de vitamina diária que a gente precisa. A SBD endossa essa orientação, lembrando que não há razão para que o restante do corpo não esteja devidamente protegido com o filtro e as barreiras físicas de fotoproteção.

Sendo assim, NÃO há nenhuma desculpa para ninguém torrar no sol, afirmando que há nisso benefícios para a saúde. Não há. Os benefícios do sol são conseguidos com exposição consciente, sem ninguém se queimar. Combinado?

IMPORTÂNCIA DA VITAMINA D PARA A SAÚDE

– É fundamental para a fixação e manutenção do cálcio no organismo, mantendo os ossos saudáveis;
– Também é fundamental para manutenção dos músculos;
– Ajuda a proteger o sistema imunológico e cardiovascular;
– Atua na regulação metabolismo;
– Auxilia na prevenção de diversos tipos de câncer.

COMO FAZER A EXPOSIÇÃO SOLAR CORRETA PARA BENEFICIAR A SÍNTESE DE VITAMINA D

– Diariamente, exponha uma PEQUENA área do corpo (como um antebraço ou o dorso das duas mãos) SEM o filtro solar, por um período MÁXIMO de 15 MÍNUTOS;
– Faça isso em algum momento entre as 10h e as 16h, quando a radiação UVB é mais abundante;
– Mantenha o restante do corpo devidamente protegido (com o filtro e barreiras físicas de fotoproteção).